Quando Thalita Rebouças publicou seu primeiro livro, há 17 anos, o bruxinho Harry Potter recém tinha começado a despontar como um grande sucesso. Era uma época em que a literatura fantástica ainda não tinha tido o seu boom, que os booktubers não tinham conquistado seu espaço e que ver obras com as quais os adolescentes se identificassem nas prateleiras das livrarias ainda não era tarefa fácil. Leitora de autores que considera “gênios da velha guarda”, como Pedro Bandeira, Ana Maria Machado, Lygia Bojunga, Thalita considerava um desperdício tentar disseminar o gosto pela leitura, em especial pela literatura, obrigando os jovens a ler. Para ela, que veio a Santa Maria participar da feira do livro na última sexta-feira e lançar seu 22º livro, a chave de tudo está na empatia do leitor com os personagens.


Antes do Livro Livro que mediei com a autora no palco da feira, conversamos um pouco no camarim do Thetro Treze de Maio. Já de chegada Thalita mostrou o que, além de ser uma grande autora, faz dela alguém tão querido entre as crianças e adolescentes: fala olhando no olho, não perde a chance de fazer uma brincadeira, fala alto, ri alto, coloca para fora suas emoções como um personagem que extravasa os seus sentimentos.
Perguntei a Thalita o que ela acredita que a fez chegar a uma marca tão expressiva de vendas, são mais de 2 milhões de livros, em um país onde se fala tanto na dificuldade de acesso e de gosto pela leitura. “Muita coisa tem mudado. Quando comecei a escrever meus livros, os jovens liam pouco. Mas também havia pouca oferta de leitura. Hoje tem muita gente boa no mercado e cada vez mais os adolescentes estão lendo. Uma pesquisa recente mostrou que os adolescentes entre 11 e 13 anos são os que mais leem no país (veja quadro abaixo). Então, não importa o tamanho do livro, o público, sendo uma história boa, ela vai ser lida”.

Thalita surpreendeu a família ao largar um emprego fixo de jornalista para se dedicar ao sonho de ser escritora

O livro mais recente da autora, Confissões de um garoto tímido, nerd (e ligeiramente apaixonado) é o primeiro a ser lançado esse ano, mas não será o único em novembro, será a vez de uma história dedicada a Zeca, outro personagem da turminha que começou a ganhar destaque na obra anterior Confissões de uma garota excluída, mal amada (e um pouco dramática), que contou a história de Tetê, que sofre bullying em casa e na escola. O livro de Zeca é muito esperado pelos fãs da autora porque foi seu primeiro personagem homossexual com mais espaço nas tramas.
“O livro que estou lançando agora traz a história de um menino inteligentíssimo, que se vê encantado por uma menina pela primeira vez. É um livro que fala de quebrar tabus, de amizade, acho que é o livro mais importante que fiz. É tão importante a gente repensar as coisas, mudar de opinião”, destaca a autora.
Um dos pontos altos do bate-papo com Thalita foram as perguntas das crianças e adolescente, muitas delas emocionadas em ver a autora pela primeira vez. Ana Clara Silveira, de 11 anos, arrancou aplausos da plateia, ao contar que foi vítima de bullying mas conseguiu dar a volta por cima com uma maturidade incomum a sua idade.

Ana Clara esperou para garantir sua foto com Thalita depois do bate-papo

Em meio às demonstrações de afeto, a própria Thalita acabou se emocionando ao responder a uma leitora de 14 anos sobre o que sente ao saber que inspira tanta gente. Thalita disse que “quando comecei a escrever não achei que as pessoas fossem gostar assim de mim, e chorar, e me agradecer. Eu recebo emails de gente que está com câncer fazendo quimioterapia e disse pra mim que era a única careca rindo na quimioterapia porque estava lendo um livro meu, você tem noção do que é isso?”.
Além dos livros, esse ano, ainda chegam ao cinema filmes originados a partir dos livros da autora. Entre eles, Fala sério mãe, filme, que terá no elenco Larissa Manoela. “Chegar aqui não foi nada fácil. Mas olhar para trás agora e ver como tudo deu certo me faz sentir como vendo um filminho cheio de coisas maravilhosas”, afirmou a autora, que também atua como repórter do The Voice Kids.

Para acompanhar o Live que o Diário de Santa Maria fez no bate-papo com Thalita, acesso o link.

Marilice Daronco

Apaixonada por contar histórias. Sonha em pegar a mochila e sair pelo mundo em busca delas.

 

Um comentário

Responder

Que lindo, Mari!!

Comente

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *