Em um de seus poemas, nos deixando quase salivando, o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade traz suas memórias gustativas contando que guarda na boca “os sabores da guabiroba e do jambo, cor e fragrância do mato, colhidos no pé. Distintos. Araticum, araçá, ananás, bacupari, jatobá… todos reunidos congresso verde no mato, e cada qual … Leia Mais